segunda-feira, setembro 24, 2007

...

Sem mais. O acordar despreocupado, o jornal e o café matinal. O almoço sem pressas e a tarde vagarosa. O final do dia luminoso e a noite a cair cada vez mais cedo. O vento passageiro que deixa um rasto frio no corpo ainda dependente do calor. A noite. A claridade artificial dos candeeiros, a calçada irregular, os vultos desconhecidos. Pontos de luz no céu, a lua presente, as pessoas ausentes. Destinos opostos, vontades comuns. Jantar tardio de odores fortes e mesclados. Conversa solta. Sem mais.

1 comentário:

Custódia C.C. disse...

É isso mesmo, sem mais !!!